Pesquisador realiza Mostra de Arqueologia e Paleontologia da região


Durante toda esta terça-feira (02) o pesquisador em paleontologia e ex - sargento do exército Luis Pereira Santiago, realizou uma mostra arqueológica com exposição de um rico acerco em peças de renomado valor histórico.  

Pesquisadores do Piaui e acadêmicos do curso de História da UEMASUL estiveram presentes para prestigiar a exposição além de profissionais de várias áreas que constataram a importância do material ali exposto. Segundo Luis Santiago o "objetivo da exposição é mostrar um trabalho que já vém sendo há vinte anos aos acadêmicos da UEMASUL e a equipe de pesquisadores do Piaui que estão fazendo um levantamento histórico da região imperatrizense." 

Para o Professor do Departamento de História da UEMASUL,  Luis Maia, os artefatos indígenas prestigiados pela pesquisador Santiago "são de grande importância para identificação da nossa trajetória e, infelizmente, ainda é dado muito pouco atenção a esta cultura que é nossa. Como diria Darcy Ribeiro estes povos são parte do nosso povo brasileiro e ainda existe muito preconceito em relação a esta parte da nossa história", concluiu o professor. 

Para o acadêmico do curso de História, Joel Marques, a importância histórica deste acervo é extraordinário para se entender até mesmo o desenvolvimento humano como um todo. 

Há cerca de 20 anos que o Terceiro Sargento da Reserva, Luis Pereira Santiago desenvolve pesquisas em arqueologia e paleotologia em Imperatriz e região, a partir dos vestígios deixados por duas grandes etnias indígenas: Tupi-Guarani e MacroGê. Formado em Geografia na Universidade Estadual do Maranhão, o pesquisador aponta um dado novo em se tratando da nossa história: a identificação de rastros deixados de forma voluntária por ancestrais da etnia Tupi-Guarani, fato esse inédito na nossa literatura científica pois até onde se sabe somente a etnia Gê teria habitado estas cercanias. 

Outra quebra de paradigma: O pesquisador pode ter descoberto o vestígio mais antigo que se tem notícia da passagem do homem pela região. Segundo Santiago, uma tíbia humana, encontrada no município de Riachão, fossilizada, pode ser o mais antigo indício de presença humana por estas bandas. A peça consta ter mais de dois milhões de anos. Durante toda esta terça-feira (02) o pesquisador em paleontologia e ex - sargento do exército Luis Pereira Santiago, realizou uma mostra arqueológica com exposição de um rico acerco em peças de renomado valor histórico.

Nossa reportagem tentou conversar com os pesquisadores do Instituto Habitus, do Piaui, que segundo nosso levantamento estão na região a serviço da empresa Suzano Papel e Celulose para fazer um levantamento do Patrimônio Histórico de Imperatriz, mas estes prefiraram não se manifestar. 



Comentários