Carlos Gaby: QUEM DEVE PROCURAR QUEM ?


Da Coluna do jornalista Carlos Gaby, retirei este texto bastante elucidativo de como tem se portado realmente o atual Prefeito de Imperatriz Assis Ramos. Assis parece se movimentar no escuro quando diz respeito aos problemas cidade. Sua incapacidade de fazer a "grande política" é flagrante. A pequenez de seus gestos serão cobrados no futuro 

Quem deve procurar por quem? 
Por Carlos Gaby

Na edição anterior, a coluna abriu com tópico sobre a sugestão do vereador Antonio Pimentel (PDT) solicitando aos colegas a formação de uma comissão para encontrar-se em audiência com o governador Flávio Dino, em São Luís. Na pauta, pediriam ajuda para a infraestrutura, a saúde (principalmente) e encampação pelo estado da UPA do São José. 

Cita o tópico, no segundo parágrafo, que o "prefeito Assis Ramos reluta em encontrar-se com o governador para selar uma parceria institucional. (...) Vê empecilhos políticos e não quer desagradar o seu grupo. Ano que vem tem eleição para o governo estadual". 

Pois bem, o dito acima foi o bastante para a Assessoria de Comunicação de Assis Ramos enviar nota à coluna 'esclarecendo' que o prefeito não foi procurado, nem a citada assessoria, para saber se ele, o prefeito, aceitaria ou não 'encontrar-se' com o governador. 

Por partes: a coluna não é meio de recado do gabinete do governador. 

Seguindo: diz a nota da Assessoria, que a informação não tem "origem em alguma fonte minimamente confiável". Certo: há fonte confiável e não confiável. Com quase três meses de gestão, o prefeito não fez nenhum gesto para procurar o governo estadual em busca de ajuda - na única vez em que esteve com o governador foi a convite deste, como a própria nota da Assessoria reconhece. Então... 

Adiante: "O único fato, a respeito dessa informação, é o de que o prefeito Assis Ramos atendeu prontamente ao senhor Governador na oportunidade ímpar em que foi convidado a ir ao Palácio dos Leões para um encontro institucional". Vide registro acima. 

"Por último, esclareça-se, o senhor Assis Ramos é prefeito de Imperatriz, defensor radical de todos os interesses do imperatrizense, não combina com a ideia (proposta na nota) de palanque eleitoral fora de época, está hoje e estará sempre de prontidão, à espera de todos quanto possam ajudar na resolução dos problemas do município, principalmente do senhor governador Flávio Dino, que tem fortes relações com Imperatriz, cidade que lhe homenageou com uma das mais expressivas votações da história". Trecho final da nota. 

Concordo. Prefeito comprometido com os interesses de sua cidade não pode recusar ajuda de ninguém. O prefeito Assis Ramos (assim como foi com o ex-prefeito Madeira) tem recebido ajuda do governador. No que ele, Assis, tem solicitado: liberação de secretários indicados, limpeza de riachos, operação tapa-buraco. 

Quanto ao lado político, o prefeito tem preferido ir a Brasília em busca de ajuda, principalmente, com seus pares do PMDB, partido notadamente, e bravamente, de oposição sistemática ao governo Flávio Dino. Todo mundo sabe disso. Na capital federal, o prefeito tem ouvido promessas, como o 'gigantesco' Ceasa de R$ 250 milhões, projeto que, parece, começa a ser desnudado com contornos nada sutis. 

Finalmente, Flávio Dino, que é governador do Maranhão e não prefeito, tem honrado com sua votação em Imperatriz, na medida de suas responsabilidades com todos os outros municípios maranhenses. Basta citar alguns exemplos: Estrada do Arroz, criação da Uemasul, construção e reforma de escolas, asfalto, recuperação de asfalto, água, dinheiro para a saúde. E vem mais coisa, como a tão sonhada revitalização da Beira Rio, cuja primeira etapa deve ser entregue no meio do ano. 

Tenho relacionamento profissional amigável com o prefeito e sua Assessoria de Comunicação, incluindo o chefe desta, a quem conheço de longa data e do qual reconheço a capacidade de trabalho. Torço pelo acerto do prefeito e de sua equipe. Aqui nasci e quero o bem de nossa cidade. Entretanto, tenho exercido meu papel de cidadão e jornalista de analisar as coisas do governo com responsabilidade crítica. E vou fazê-lo, sendo justo e humilde para reconhecer quando errar. 

Para fechar aqui estes respeitosos comentários, deixo a pergunta ao leitor: "O prefeito está acertando, até agora?" Creio que está tentando, mas... Como disse um vereador: "Basta perguntar da mais humilde vendedora de cuscuz ou ao maior empresário da cidade". A resposta é... E, como dizem os nossos velhos, "quem precisa de ajuda...". 

Comentários