REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, ESPECIALMENTE, EM POSIÇÕES DE COMANDO.


Em 2015 fui surpreendida ao ver nas redes sociais uma matéria machista, grosseira e extremamente humilhante contra uma profissional da enfermagem. E, honestamente, esta matéria atingiu profundamente todas nós MULHERES, na medida em que cada uma de nós está sujeita a passar por situações de violência moral e constrangimento como este. 

Na matéria exploraram a vida íntima desta enfermeira e usaram expressões chulas, para mim, impublicáveis. Os ingredientes eram: uma mulher inteligente, bem posicionada no campo profissional, todavia bonita e desejável, na verdade o estereótipo que agrada a maioria dos homens. Isto me faz refletir que, apesar das décadas que os movimentos sociais e feministas lutam pela igualdade de gênero e contra toda e qualquer forma de preconceito e violência contra nós mulheres. E, apesar dos grandes avanços neste campo, como a criação da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres, ainda em 2003; a homologação da Lei Maria da Penha em 2006, que dentre os destaques disciplinou o ciclo e os tipos de violência contra a mulher: FÍSICA, MORAL, PSICOLÓGICA, SEXUAL E PATRIMONIAL. 

Apesar da Lei do Feminicídio criada em 2015 e tantos outros mecanismos e intrumentos de combate ao preconceito e violência contra a mulher, alguns blogueiros, com a intenção ou não, continuam a nos agredir, expressando o machismo, o preconceito e a violência para conosco. A exposição desta enfermeira nas redes sociais é, inquestionavelmente, uma GRANDE VIOLÊNCIA DE GÊNERO, UMA VIOLÊNCIA MORAL, que atinge a todas nós mulheres. E quando a matéria se repete por várias vezes, acontece o que os profissionais da área psicossocial chamam de REVITIMIZAÇÃO, fazer a vítima rememorar o trauma... a dor... várias vezes. 

Para nós mulheres, é lamentável... revoltante... especialmente, em seguida ao caso que mexeu com todo o país, o estupro coletivo daquela adolescente por trinta homens, onde tanto se debateu a violência contra a mulher, mas, infelizmente, também ocorreu a revitimizacão, neste caso, de uma maneira mais perversa e cruel, a vítima passou a ser suspeita e, para alguns, até culpada. "Por que ela andava em más companhias?! Não havia marcas de violência?!" 

Na verdade um dos grandes desafios dos crimes de estupro é que a vítima é muitas vezes a única testemunha. E muitas vezes não há marcas, dependendo do rito. Quero esclarecer que tenho um profundo respeito aos profissionais da informação, porque levam informações aos quatro cantos do país e do mundo. Dizem por aí que a imprensa é o quarto poder. E é a partir desta premissa que chamo a atenção destes profissionais para a sensibilidade sobre temas como estes. Desta vez foi a Keilane... esta adolescente... Mas se não ajudarmos a preparar a sociedade para os grandes temas e desafios, amanhã pode ser a mãe, a mulher, ou a filha de qualquer um aqui. Tive o prazer de conhecer Keilane em Montes Altos, ainda estudante de enfermagem. Depois a vi se formar, se debruçar sobre os livros e passar em seu primeiro concurso público, em primeiro lugar, num curto espaço de tempo e num concurso concorrido da Prefeitura de Imperatriz. Num primeiro momento, confesso, ela me chamou a atenção por sua beleza, mas num segundo, me chamou por sua perseverança, competência, profissionalismo e espírito de luta. Na verdade este texto é mais que uma reflexão, é um desabafo. Como mulher e política, mandatária, não posso me calar diante de injustiça contra nós mulheres e tenho por obrigação primeira, dar a minha contribuição a este debate. 

NÃO A VIOLÊNCIA CONTRA NÓS MULHERES! NÃO AO PRECONCEITO! NÃO AO MACHISMO! VIVA A TODAS AS MULHERES...BRANCAS, PRETAS, GORDAS, MAGRAS, DO LAR, INTELECTUAIS, DA ROÇA, POLÍTICAS, COZINHEIRAS, MECÂNICAS, MOTORISTAS, PROFISSIONAIS LIBERAIS... VIVA A MULHER BRASILEIRA! 

Por Kelly Rocha Psicóloga e Bacharel em Direito Vice - Prefeita de Montes Altos PC do B

Comentários

Anônimo disse…
Agora dar para entender qual foi a pauta da conversa entre nosso Prefeito Madeira e a Prefeita e presidente do ptn estadual Maura Jorge. A conversa de horas e horas de ambos no restaurante do hotel onde a prefeita encontrava-se não foi à toa. E pelo visto a mesma faz juz ao título de " articuladora política". http://www.marcoaureliodeca.com.br/2016/06/27/psdb-e-pmdb-podem-ter-inedita-alianca-em-imperatriz/