Governo Flávio Dino corrige problemas históricos no saneamento de Imperatriz


Estão presentes hoje (7) em Imperatriz o secretário de estado da Infraestrutura Clayton Noleto e o presidente da Caema Davi Telles. Vieram anunciar os novos investimentos do Governo Flávio Dino através da Caema e vistoriar obras de infraestrutura: reforma do prédio da Uemasul, nova iluminação da rodovia Pedro Neiva de Santana e pavimentação da estrada de acesso ao residencial Sebastião Regis. Todas obras muito importantes, claro. Mas a de maior impacto é, sem dúvidas, a ampliação da rede de abastecimento de água e esgoto. 

Imperatriz tem problemas crônicos, históricos, de falta de água tratada. Até CPI já foi aberta na Câmara Municipal de Imperatriz no ano de 2013, durante uma das inúmeras “crises de abastecimento” de água na cidade. Nesta de 2013 foram quatro dias de torneiras secas, sem uma gota. Houve outras, sobretudo por falta de investimentos e manutenção na rede de captação, sistema de tratamento e rede de distribuição. Na periferia, felizes os que contam com poços artesianos – ainda que a água não seja tratada. As gambiarras afloram nas ruas, canos estourados drenam a pouca água que resta. 

Com o investimento de 20 milhões anunciados hoje, o problema não está resolvido. Após décadas de descaso a situação é caótica. Mas há de haver um início de esforço para que se aumente a salubridade em Imperatriz. Atualmente, a Caema já faz a implantação da rede de esgoto no bairro do Bacuri, obra fundamental para acabar com as fossas clandestinas. Caso de saúde pública. A estação elevatória já foi ampliada e a rede de distribuição recebeu 40 mil metros de novas instalações. 

Oxalá os investimentos não parem por aí.

Fonte: Marcos Franco

Comentários