Sentiremos saudades de 2016


Não existe nada de todo ruim que ainda não possa piorar. O passado, pelo visto, tinha mais futuro. 2016 vai deixar saudades. 

Não caro leitor, não sou fatalista/pessimista/ derrotista, mas tento observar atentamente o cenário que se desenhou o contexto político em que vivemos. Ao que tudo indica mais lutas ainda virão por aí. Claro, isso faz parte da historia e a história não para. 

Não podemos agigantar os problemas e muito menos apequena-los demais. Como diria Aristóteles “a virtude está no equilíbrio”. E só temo aquilo que não conheço, o resto a gente enfrenta ou como diria o ditado “Deus te dá o frio conforme o cobertor.” 

Enquanto escrevo este texto, o governo ilegítimo que atualmente governa o país opera cirurgicamente para retirar direitos conquistados pelos trabalhadores a duras penas. E foram/são muitos os ataques: PEC 55, reforma da educação, cortes e arrochos em programas essências a população mais carente. 

Sobre Aleppo? Muita manipulação midiática. Mas dá para perceber que se Assad é ruim o Estado Islâmico consegue ser pior. Dá pra perceber também que potências ocidentais (EUA) jogaram para enfraquecer Assad e que Putin (Rússia) fez o inverso. Em Aleppo temos que apostar naquilo que está mais afastado da barbárie. 

No Maranhão a situação é sui generis, pra variar. Não sei quem disse por aí que o estado em tempos de crescimento econômico do Brasil na era Lula, andou igual caranguejo. Agora em tempos de crise, segue de forma republicana ampliando o acesso dos bens e aparelhos democraticamente. Tudo depende de quem governa mesmo. O grupo que esteve à frente do Maranhão durante os últimos 50 anos sugou o quanto pode. 

Flavio Dino não poderia ter pego o Estado em tempos piores. Ou melhores. Tudo é uma questão de perspectiva. Diz que é na crise que criamos as boas oportunidades. Os estados brasileiros têm sofrido na mão de Temer &Cia, que não os pouparam em medidas de austeridade (nome bonito pra escamotear as manobras). 

Ainda sobre o Maranhão, fico me perguntando a quem interessa macular uma gestão que corajosamente é a favor da taxação dos mais ricos e das grandes fortunas, que tem se colocado como potencializadora do ensino superior no Estado. Que tem se colocado pronta ao dialogo com os setores populares. 

A gangue que se instalou no governo federal tem o sinal contrário de tudo que é feito aqui no Maranhão. 

Das frases caríssimas de “House of Cards”, o presidente da Rússia Petrov: “A revolução caminha lentamente. E eu não subestimo seus passos.” 

 Leia mais em 

http://www.correiopopularitz.com.br/coluna/opiniao/99#biF6AJBUPYfyOYJS.99

Comentários