23 de outubro de 2013

VEREADOR MARCO AURÉLIO ENFRENTA BULYING POLITICO NA CÂMARA

O Poder Legislativo, tem como principal atribuição legislar - criar as leis, ouvindo os anseios da sociedade. Outra importante atribuição do Legislativo é a de fiscalizar os atos do Poder Executivo. 

Em Imperatriz temos na Câmara uma base que apoia o governo em sua parte constituída por marinheiros de primeira viagem, sem a devida experiência no trato das questões públicas. 

Por isso é importante a existência da oposição na construção de um debate que saliente as contradições que o poder público sempre apresenta no cotidiano de demandas da municipalidade. Para o vereador Marco Aurélio (PcdoB) ao que parece a postura de oposição causou-lhe alguns dissabores. 

Mas teria sido só com ele? O edil reclama que não consegue ter seus projetos de lei apreciados. Porém não ficaram claros os motivos destas demandas não se materializarem. 

O certo é que ambientes como o do legislativo requerem habilidade e certo desprendimento para serem agilizadas. É a famosa arte do "tapinha nas costas", muito bem feitas por legisladores mais experientes, de oposição ou não. 

O fato que está em curso uma aguda crise de identidade do Legislativo imperatrizense. 

A crise não decorre de nenhuma alteração constitucional. É resultado da mais grave crise institucional já vivida pelo País. A corrupção e a sede de poder que move boa parte dos parlamentares no Brasil tem levado o Poder legislativo, em âmbito federal, municipal e estadual, a renunciar a uma de suas mais nobres atribuições: a fiscalização do Poder Executivo. 

Estaremos atentos !
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

2 comentários:

Wilson Leite disse...

A reclamação dele está mais pelo desprestígio (do executivo) ao seu posicionamento de “oposição moderada” do que do parlamento em si. Isso é muito fácil de resolver, basta ele moderar ao ponto que o poder executivo quer. Mas o parlamento é como sempre digo: “um picadeiro”, quem pode pôr em prática projetos é o executivo, no máximo os “edis” tem autonomia de sugerirem e aprovarem títulos de cidadãos imperatrizense sem esquecer os projetos que o governo quer, por ser maioria.

Carlos Leen Santiago disse...

Ok, Wilson, obrigado pelo bom debate!