17 de setembro de 2011

POR FALTA DE UMA ASSINATURA O CONSELHO DE CULTURA NUNCA FOI HOMOLOGADO EM IMPERATRIZ


Nas palavras do presidente da Fundação Cultural de Imperatriz, Antonio Lucena, por falta da minha assinatura em um documento que encaminhamos com o nome do conselheiro na áera de Patrimônio Histórico, todo o conjunto do conselho de cultura não foi homologado. É mole!?!
Como se eu fosse tão importante e tão dificil de ser encontrado e ainda me recusse a assinar. Este foi o argumento que ele utilizou para rebater as críticas que fizemos durante a audiência pública na Câmara de Vereradores. Me pareceu uma saída tão irracional quanto infantil !?!
Olhando tacitamente para tudo estava o já folclórico Professor Zé Geraldo, pessoa pela qual tenho profundo apreço e admiração mas que sei muito bem de suas convicções: Zé Geraldo é um conservador, mesmo que com um discurso dúbio por vezes, que não vacila em sempre apoiar a direita. Poderia pelo menos dessa vez ter intervido e assesorado melhor seu presidente. Essa saída para justificar a inoperância da gestão não pegou muito bem.
Uma nova audiência pública sobre a cultura deve ser marcada nos próximos dias, visto que esta primeira foi feita em conjunto com a de resíduos sólidos, limitando bastante o tempo e as discussões. A vereadora Fátima Avelino, ao final dos trabalhos, se prontificou a operacionalizar, acredito que junto com Edimilson Sanches, um novo momento para se buscar saídas para cultura em Imperatriz.
A falta de políticas públicas e de participação popular nas decisões e ações têm dado a tônica deste governo no gerenciamento do município. Não é a primeira vez que se utilizam discursos "legalistas" para justificar o injustificável. Vide o exemplo da saúde. É obvio que aí faltou vontade política para fazer, sensibilidade do gestor e autonômia dos diretamente ligados com a questão.
Neste momento, em frente ao Centro de Artes Cênicas do Maranhão, em São Luís, um espaço amplo que permite jovens terem acesso a aulas de dança e teatro, fico imaginando o porquê de toda a história do movimento cultural em Imperatriz ter chegado neste nível, tão relaxado. A gestão "pifia" de Erasmo Dibell, deve se repetir até quando? Há que se parabenizar ações individuais de membros da Fundação, como Axel Brito, mas, estamos falando de questões muito mais abragentes e urgentes do que simplesmente trazer uma grande banda de fora pra cidade ou realizar o carnaval e o São João.
A democratização cultural pede passagem: democratizar o estímulo a mobilidade, a criação de vale-transporte cultural, passes culturais ou similares, devem entrar na pautados legisladores e gestores da cultura; bem como as devoluções públicas em forma de ingressos, livros, CDs etc. Não podemos também abrir mão da gestão partilhada entre sociedade e governos: conselho de cultura, conferências, câmaras setoriais, tudo isso é o minimo do minimo. São intrumentos secundários alias. E nem isso Imperatriz possui. Estamos longe, muito longe, longe demais de ampliar nossa capilaridade das politicas públicas democráticas.
Estamos certos que a cultura é feita de escolhas e caminhos plurais e ainda mais certos de que estes podem ajudar a curar os nossos males sociais.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

9 comentários:

alexandre almeida disse...

Parabéns pelo movimentação ai companheiro sei de sua luta e por isso acredito que essa gestão não fez nada mesmo por falta de uma assinatura 2 anos para tomar posse um concelho fica muito difícil o acesso para produção de conteúdo e bens matérias da cultura.

Onde esta Descentralização aplicação dos recursos; Democratização do acesso aos bens e serviços culturais; e o Reconhecimento a diversidade das expressões culturais...
Que em Imperatriz nunca foi reconhecida.
Ainda queremos ser uma capital sem memória e sem meios de política culturais para mostra uma realidade de abandono do poder publico.

conservador insultado disse...

Carlos,eu já li muita coisa,que eu discordo de voçe,mas agora essa de dizer que o Ze Geraldo é de direita,aí não dá.Que cada ideologia fique com o seu lixo.Nós da direira não aceitamos esse traste do Zé Geraldo.Figurinha despreparada,arrogante,e na maioria das vezes ,de uma boçalidade insurportavel.Quem pariu Mateus que o embale,mas Zé geraldo NÃO É DE DIREITA.Tome que o filho ´e teu.Na direita até temos alguns incapazes,mas esse é dose para elefante.

Ju Carvalho disse...

Até que ponto esse povo chega? Mais essa...Temos reuniões do Fórum de Cultura com a presença de pessoas que deveriam ser "conselheiros" e que nunca foram convocados ou informados de nada. Essa merda dessa fundação nunca tem dinheiro pra nada ou ninguém que não seja dos "peixes". E a prova de que Imperatriz tem gente disposta a promover cultura é esse pessoal que luta fazendo projeto e apelando pra outras instâncias já que uma cidade deste porte não tem uma sec. de cultura e a fundação é anti-cultura e acultural a ponto de não abrir edital e nem proporcionar perspectiva nenhuma.

Vanusa Babaçu disse...

A Falta de Lei Municipal de Incentivo à cultura impossibilita concorrermos em alguns editais à exemplo do OIFUTURO. É complicado olhar, discutir ou "OUSAR" fazer cultura nessa região. Muito precisa ser feito ainda.

alexandre almeida disse...

kd o sistema de cultura?
kd o mercado do peixe?
kd a biblioteca?
kd o fiqueninho?
kd o caís do porto?
kd a beira Rio...
kd as obras do PAC?
kd os editais?

AFUNDAÇÃO DE ANTI CULTURA DE IMPERATRIZ - MA.
TUDO MANOBRA PRA ENGANAR O POVO...

O Unico que escapa mesmo é professor Ton Neves, fala para o Zeca devolver o Titulo de cidadão Imperatriz - MA, que a cultura nesse governo é MADEIRA NELES. só que esse bem ai já deu CUPIM...
cuidado meu povo Ta chegando a época do povo sem MEMÓRIA... derruba essa madeira... VAI CAIR MADEIRA VAI CAIR MADEIRA...disputa boa ele Roseana e João Castelo que é mais LADRÃO... JUNTO COM O LOBÃO... QUEM É MAIS LADRÃO JUNTO COM LOBÃO... COITADO DO MARANHÃO O JEITO E FAZER ARTE E VIRA PALHAÇO IGUAL TIRIRICA. QUE PRA VIVER DE ARTE TÁ DIFÍCIL FUI.

Neto Ferreira disse...

Caro amigo,

Venho através de e-mail lhe mostrar essa denúncia vinculada hoje (19) no blog.

A matéria mostra o repasse da emenda parlamentar do então deputado federal, Gastão Vieira (PMDB) ao valor de mais de R$ 600 mil para pavimentação de uma via na cidade de Buriticupu onde se encontra paralisada..

A publicação é totalmente baseada na investigação feita pelo titular do blog onde o amigo, pode perceber o impacto que irá causar.
Se o nobre amigo precisar de algo, entre em contato comigo através deste e-mail: redação@netoferreira.com.br
Um forte abraço
http://www.netoferreira.com.br/politica/2011/09/gastao-vieira-destinou-mais-de-r-600-mil-em-pavimentacao-inexistente-via-ministerio/

www.netoferreira.com.br

Anônimo disse...

Boa tarde!

Discutir políticas culturais é saúdadevel, mas é nojento utilizar uma audiência pública para fazer politicage barata. Esperamos seu Carlos Leen que você tenha pelo menos a atitude digna de entender que o caminho não é esse para a emancipação cultural da cidade de Imperatriz.Seja um fazedor de cultura de verdade nesta cidade,falando nisso cadê suas produções culturais? Você É MUITO FRACO.

Anônimo disse...

Carlos,voçe fez muito bem em querer mandar o ze geraldo para estes cars da direitapois nos aqui da esquerda não vamos mais aceitar este cara conosco.Voçe viu na reunião de hoje,as bobagens que o cara fala??

Anônimo disse...

Vocês estão perdendo tempo em criticar a cultura de Imperatriz, enquanto o destino dela é administrada lá no bar do Seu Olímpio.